Instalação Móvel de Extração de Kaumera (KEI) | Águas do Algarve

Instalação Móvel de Extração de Kaumera (KEI)

Instalação Móvel de Extração de Kaumera (KEI) muda-se para a ETAR Faro/Olhão e foi inaugurada em 28 de outubro

Em junho deste ano, a primeira instalação móvel de extração do biopolímero Kaumera (KEI) a partir de lamas aeróbias granulares do sistema de tratamento NEREDA® entrou em operação na ETAR de Utrecht, nos países baixos. A unidade móvel KEI foi desenvolvida no âmbito do projeto WATER MINING, tendo como objetivo a realização de testes ao nível internacional, para a extração do biopolímero, atendendo às condições locais. Após três meses de operação bem-sucedida, a KEI móvel foi desmontada e transportada para a ETAR de Faro/Olhão, onde chegou no início de setembro.

 

Desempenho da KEI móvel em Utrecht

O comissionamento e operação do piloto em Utrecht decorreu conforme planeado, refletindo o bom trabalho e cooperação de todos os parceiros envolvidos no projeto.

Durante os primeiros meses de operação foram obtidos dados necessários para futura aplicação da instalação à escala real.

A produção do biopolímero esteve em linha com outras instalações existentes nos países baixos, i.e., cerca de 25-30% da matéria orgânica presente na lama granular foi extraída, na forma de Kaumera. Os resultados serão apresentados brevemente num simpósio que está previsto realizar-se no corrente mês novembro.

 

Operação da KEI móvel em Faro/Olhão

A desmontagem e transporte da KEI móvel até Faro/Olhão correu de acordo com o planeado. Após finalização da montagem dos circuitos hidráulicos e elétricos foram realizados os respetivos ensaios com água de serviço.

A Águas do Algarve, S.A. na qualidade de parceiro beneficiário do projeto, presta todo o apoio necessário para a boa operacionalidade da unidade KEI móvel. Para o efeito providenciou todos os meios necessários para a receção do piloto, tais como a construção de uma laje em betão para assentamento da KEI móvel e a aquisição de equipamento elétrico (e.g., cabo elétrico de alimentação e disjuntor), e de reagentes químicos entre outras utilidades associadas aos circuitos de água e lamas. A unidade móvel KEI será operada pela Universidade Técnica de Delft com apoio da Águas do Algarve, SA

 

Objetivos para a KEI móvel em Faro/Olhão

Na ETAR de Faro/Olhão estão a ser realizados ensaios com a unidade KEI que permitirão comparar os resultados, com os obtidos em Utrecht. Esta análise é importante, tendo em consideração que as instalações têm diferentes climas e diferentes características das águas residuais, como por exemplo, afluência de água salgada ao sistema de drenagem da ETAR de Faro/Olhão.

Também serão avaliadas as possíveis aplicações do biopolímero Kaumera obtido em Faro/Olhão face ao produzido nos Países Baixos. Neste sentido, conta-se com a colaboração da Universidade do Algarve, especificamente a nível do curso de Mestrado do Ciclo Urbano da Água, na identificação das aplicações do Kaumera, que revelam ter especial interesse, na região do Algarve. Por exemplo, para além da capacidade bioestimulante do crescimento das culturas, a capacidade de absorção de água da Kaumera, pode ter um interesse especial para o setor agrícola local.

A unidade móvel KEI foi inaugurada oficialmente na ETAR de Faro/Olhão no passado dia 28 de outubro, contando com a presença de 17 entidades representadas por cerca de 30 participantes, destacando-se a Universidade Técnica de Delft e Royal Haskoning DHV.

Kaumera

Kaumera é uma matéria-prima de base biológica, versátil, que é extraída das águas residuais, mais especificamente de sistemas de lamas aeróbias granulares. Pode ser usada em muitas aplicações, nomeadamente como bioestimulante do crescimento de culturas e constitui um excelente substituto para produtos petroquímicos. Atualmente existem dois locais de produção do biopolímero Kaumera, em Zutphen e em Epe, nos Países Baixos, sendo crescente o seu interesse desde a data de lançamento, em 2019.

As várias vertentes do biopolímero Kaumera foram inicialmente desenvolvidas através de uma parceria entre entidades gestoras neerlandesas (Waterschap Vallei en Veluwe, Waterschap Rijn en IJssel), setor de I&D (Stichting Toegepast Onderzoek Waterbeheer, STOWA, e Universidade Técnica de Delft) e tecido empresarial (Royal HaskoningDHV; Chaincraft e Koppert).

 

WATER MINING

 

 

A unidade móvel KEI foi desenvolvida como parte do projeto WATER MINING. Este é um projeto de pesquisa multidisciplinar financiado pela EU, através do programa Horizonte 2020, focado em soluções inovadoras e circulares para a gestão da água, sendo liderado pela Universidade Técnica de Delft. No projeto WATER MINING são desenvolvidas 6 instalações à escala piloto em Chipre, Espanha, Portugal, Itália e Países Baixos, num trabalho conjunto entre os 38 parceiros internacionais nas várias vertentes, i.e., institucionais, governamentais, indústria e ciência e tecnologia. Por meio dessas atividades, o projeto desenvolve modelos de negócios inovadores para, entre outras aspetos, potenciar a recuperação de subprodutos a partir de efluentes domésticos e industriais.

Nas atividades relacionadas com o biopolímero Kaumera os parceiros principais do projeto WATER-MINING são a Universidade Técnica de Delft, Royal HaskoningDHV, Wetsus, Lenntech ACCIONA e a própria Águas do Algarve, SA.

Mais informações sobre o WATER-MINING podem ser encontradas em www.watermining.eu e Kaumera extraction in a mobile demo unit - watermining

 

Faro, 08 de Novembro de 2022

Teresa Fernandes, Porta Voz da Águas do Algarve SA

Projeto Waterminning
Projeto Waterminning
Projeto Waterminning
Projeto Waterminning
Projeto Waterminning