ETAR de Olhão Nascente | Águas do Algarve

ETAR de Olhão Nascente

A Ampliação da ETAR Nascente de Olhão veio proporcionar globalmente, além da melhoria directa e indirecta das condições sanitárias das populações locais, uma melhoria substancial da qualidade dos meios hídricos na zona.
Esta melhoria traduz-se também possibilidade de nesta instalação ser efectuado o tratamento dos efluentes provenientes do Sistema Interceptor Nascente, cuja empreitada se encontra em fase de conclusão, e que permitirá por um lado a recolha e transporte dos efluentes produzidos em pequenos núcleos populacionais (de carácter disperso) existentes na zona, os quais possuem soluções individuais de tratamento (fossas sépticas individuais), contribuindo assim para um aumento significativamente da cobertura da população servida por redes de drenagem de águas residuais e por outro lado efectuar a desactivação das ETAR´s da Fuseta e Moncarapacho, infra-estruturas construídas em 1983, com capacidades de tratamento já largamente ultrapassadas tomando em conta a população atendida actualmente e a necessitarem de profundas obras de reabilitação para o seu funcionamento normal.

Através deste Sistema Interceptor também serão endossados os efluentes produzidos nas Ilhas do Farol, Culatra e Armona, para posterior tratamento na ETAR Nascente de Olhão.

ETAR Olhão NascentePor outro lado esta ETAR estará dotada de órgãos específicos para efectuar um pré-tratamento eficaz dos efluentes industriais produzidos na Zona Industrial de Olhão, realizado através da instalação de uma tamisagem específica para este tipo de efluente. 
Esta ETAR estará ainda dotada de um Tanque de Recepção de Lamas de Fossas Sépticas, criando-se assim uma infra-estrutura capaz de efectuar a recepção e o tratamento deste tipo de lamas, sendo única neste concelho.

Para fazer face ao acréscimo de caudal proveniente do Sistema Interceptor Nascente, assim como para fazer face à evolução de caudais produzidos na ETAR da Zona Industrial de Olhão, a ampliação desta ETAR possuirá uma capacidade máxima de tratamento para 32 216 hab. eq. em época alta no ano horizonte de projecto, ou seja, com a ampliação agora concretizada esta instalação sofreu um incremento em termos de capacidade de tratamento de cerca de 16 200 hab. eq., (mais do dobro da capacidade inicialmente instalada).

Concepção da infraestrutura construída

O sistema de tratamento de efluente previsto na solução variante proposta pelo Consórcio empreiteiro, para a ampliação da ETAR, é constituída por duas linhas de lamas activadas em reime de arejamento prolongado, uma existente e outra a construir.

A solução de tratamento adoptado corresponde à implementação de um esquema de tratamento em três etapas:

 

1 – Fase Líquida

Construção de uma nova obra de entrada, com instalação de tamisadores/compactadores separativos, para efluente industrial e doméstico e recepção de fossas sépticas;

Construção de um sistema de desarenamento/desengorduramento;

Construção de uma nova linha de tratamento biológico por lamas activadas em regime de arejamento prolongado e remodelação da linha existente;

Instalação de sistema de microfiltração e desinfecção por radiação ultravioleta

O efluente líquido da ETAR de Olhão Nascente terá como destino final a descarga na Ria Formosa, sendo no entanto parcialmente reutilizado na própria ETAR (lavagem de pavimentos, equipamento e rega de zonas verdes).

 

2 – Fase Sólida

Construção de um novo espessador;

Instalação de um sistema de desidratação de lamas através de filtro banda;

 

3 –Desodorização

Sistema de extracção e tratamento de odores, através de filtros de carvão activado, nos edifícios da obra de entrada e desidratação de lamas.

Assim pode-se considerar que com a conclusão das obras efectuadas nesta ETAR, o efluente descarregado na Ria Formosa cumprirá com os objectivos de tratamento previstos no Decreto-Lei nº 152/97, de 19 de Junho, no que respeita aos seguintes parâmetros: CBO5, CQO e SST - em termos de eficiências mínimas de tratamento (respectivamente, 70-90%, 75% e facultativamente 90%) ou alternativamente de valores máximos nas emissões (respectivamente, 25 mg/l, 125 mg/l e facultativamente 35 mg/l).

Tendo em atenção estes limites de descarga, os objectivos de tratamento fixados para esta ETAR, assim, os seguintes:

- CBO5 - 90% ou 25 mg/l;

- CQO - 75% ou 125 mg/l;

- SST - 90% ou 35 mg/l.

Além destes parâmetros fixou-se o valor de Coliformes Fecais em 2000 NMP/100 ml, (sendo que será possível obter um limite de 100 NMP/100 ml com a introdução dum segundo banco de lâmpadas UV no respectivo canal).

 

Custo
O investimento total efectuado pela Aguas do Algarve, SA na concretização da Ampliação da ETAR Nascente de Olhão, foi de 4.001.675,37 € (quatro milhões, mil, seiscentos e setenta e cinco euros e trinta e sete cêntimos), com exclusão do IVA. Este valor inclui além do valor global da empreitada, os custos com as várias prestações de serviços contratadas para o efeito, como projecto, fiscalização, coordenação de segurança, gestão da qualidade e acompanhamento arqueológico.
 


 

Localização Geográfica: