ETA de Beliche | Águas do Algarve

ETA de Beliche

ETA BelicheA Estação de Tratamento de Água (ETA) do Beliche trata água proveniente das albufeiras das barragens de Odeleite e Beliche e tem uma capacidade máxima diária de produção de 12.960 m3. Localiza-se junto à barragem de Belche, abastecendo em alta sazonalmente em conjunto com a ETA de Tavira os municipios de Castro Marim, Alcoutim e Vila Real de Santo António.

 

ETA Beliche Sala Telegestão Os processos de tratamento realizados permitem obter uma água de excelente qualidade. As etapas realizadas são extremamente eficazes na remoção de substâncias indesejáveis na água de origem (natureza biológica, microbiológica e química). Desta forma é garantida uma água tratada com elevada qualidade e de excelentes características organolépticas.

 

PROCESSO DE TRATAMENTO
O ESQUEMA DE TRATAMENTO COMPREENDE, SUMARIAMENTE, OS SEGUINTES PROCESSOS E OPERAÇÕES:

PRÉ-OXIDAÇÃO

A água bruta ao chegar à ETA passa pela etapa de pré-oxidação com Ozono. Este primeiro tratamento tem por objectivo a oxidação de poluentes existentes na água, apresentando um largo espectro de acção na oxidação de matérias orgânicas, de micro poluentes, de metais em solução (ferro e manganês), na melhoria das características organolépticas (cor, cheiro e sabor) e acção bactericida.

Esta etapa de pré-oxidação com Ozono substitui, com grandes vantagens, a tradicional pré-oxidação com Cloro.

 

REMINERALIZAÇÃO

A água pré-oxidada é sujeita à etapa de tratamento denominada remineralização, porque a água proveniente das albufeiras de Odeleite e Beliche apresenta uma fraca alcalinidade e dureza. Desta forma e para evitar que a água produzida na ETA tenha um carácter agressivo para as condutas, esta etapa adicional de tratamento que permite ter a alcalinidade e dureza, a um patamar de equilíbrio na água tratada.

A remineralização é realizada através da adição de dióxido de carbono e de cal em suspensão (leite de cal). 

 

COAGULAÇÃO  

A etapa coagulação tem como principal objectivo a remoção de matérias orgânicas e substâncias coloidais. É uma etapa que usualmente precede os processos de separação sólido-líquido, como a decantação e/ou filtração.

Esta etapa consiste basicamente na destabilização das substâncias coloidais através da adição de um reagente químico – o coagulante, neste caso o Policloreto de Alumínio.

 

ADSORÇÃO  

A adsorção é realizada com a adição de uma solução de carvão activado imediatamente a seguir à etapa precedente de coagulação. O carvão activado pela sua morfologia é um reagente com capacidades extraordinárias sendo usado em tratamento de afinação. Este permite a fixação à sua superfície de moléculas de gases, iões metálicos e moléculas orgânicas que conseguiram superar as etapas anteriores, especialmente, micro poluentes, sabores e odores indesejáveis e alguns metais pesados.

 

DECANTAÇÃO 

A água é encaminhada para o decantador estático, onde ocorre a retenção dos " flocos " formados na etapa de coagulação através de fenómenos de separação sólido-líquido.

A água clarificada é então recolhida à superfície, enquanto os "flocos", após decantação, são retirados sob a forma de lama e encaminhados para a linha de tratamento de lamas.

 

FILTRAÇÃO

O objetivo fundamental da etapa de filtração é a remoção das partículas ainda presentes na água decantada, podendo promover também a redução do número de microrganismos. Esta operação consiste em fazer a água decantada atravessar um meio poroso – no caso, filtros rápidos de areia – que retém os sólidos e permite a passagem de água. 

Os filtros de areia são lavados regularmente com água e ar em contra corrente. As águas resultantes da lavagem dos filtros, são tratadas e reintroduzidas no início do processo de tratamento. 

 

AFINAÇÃO FINAL DE PH

Esta etapa do processo de tratamento consiste na afinação final de pH para corrigir na água o seu carácter agressivo, sendo realizada com a adição de soda cáustica.

 

DESINFEÇÃO

Após filtração, há que garantir a eliminação completa de microorganismos que possam ainda estar presentes na água e, sobretudo, há que prevenir eventuais desenvolvimentos bacteriológicos durante o longo percurso da água até ao consumidor.

Para esse fim, procede-se a uma desinfecção final com Cloro, a qual deverá assegurar uma acção desinfectante duradoura em todo o sistema de adução.

 

TRATAMENTO DE LAMAS E ÁGUAS RESIDUAIS DO PROCESSO

Todas as águas residuais geradas no processo de tratamento, provenientes das purgas dos decantadores e lavagem dos filtros, são sujeitas a um tratamento posterior, num decantador/espessador. As águas recuperadas são reintroduzidas no inicio do processo de tratamento de água, e as lamas obtidas são desidratadas, numa centrifuga e transportadas até destino final adequado.

 

ELEVAÇÃO DE ÁGUA 

A água filtrada é armazenada numa cisterna, sendo posteriormente elevada através de uma estação elevatória até à conduta adutora do sistema multimunicipal, e conduzida até aos concelhos de Alcoutim, Castro Marim e Vila Real de Santo António.

 

SUPERVISÃO/ TELEGESTÃO 

O controlo do sistema de tratamento da ETA é realizado no centro de comando desta e também através dum posto remoto existente na sala de comando geral da ETA de Tavira.

 

PERFIL ESQUEMÁTICO DO TRATAMENTO

LINHA DE TRATAMENTO DE ÁGUA

  1. Chegada de Água Bruta
  2. Pré-oxidação
  3. Remineralização
  4. Coagulação
  5. Adsorção
  6. Decantação
  7. Filtração
  8. Afinação final de pH
  9. Desinfecção final
  10. Armazenamento e elevação de água tratada

LINHA DE TRATAMENTO DE LAMAS

  1. Espessamento de lamas
  2. Desidratação de lamas (Centrifuga)

 


 

 

Localização Geográfica: